O que realmente importa?

Essa sexta-feira começa um pouco diferente pra mim, e pra muitos brasileiros. O dia aqui tá lindo porém, uma coisa ficou matutando aqui dentro da minha cabeça: A morte do autor Domingos.

Bem, não é a morte dele que me causa um espanto e sim, o momento dela. Aquele momento em que ninguém espera afinal, novo (apenas 54 anos), casado, 3 filhos, em meio a uma novela da rede globo… Oras, isso não está correto! Não era hora dele morrer!

Porém, é esse mesmo espanto que me acorda. A maioria de nós está muito preocupada com as coisas dessa nossa vida terrestre e esquecemos que isso aqui, é só uma passagem. Levamos muito a sério essas ‘superficialidades’: Preciso comprar uma casa, preciso viajar, preciso do novo iphone, preciso de algo que me fará feliz! Minha barriga está enorme, sou muito baixinha ou meu cabelo me odeia. Eu mesma, já chorei horrores quando fui no salão e meu cabelo não ficou do jeito que eu queria. Porque a gente é assim? Porque nos preocupamos tanto com coisas que, no fundo, sabemos que são pequenas (e passageiras)?

Vamos voltar um pouquinho na história…

Os sumérios, a mais antiga civilização já conhecida, tentavam com o mesmo esforço conhecer o mundo material e o mundo espiritual. Eles defendiam a importância do espírito com a mesma força da matéria. Acreditava-se em um mundo vivo. Porém, isso mudou no século XVI.

Na Europa medieval a Igreja era o poder supremo. Quem a desafiasse poderia sentir sua ira: Galileu por exemplo, só não foi julgado por apoiar o modelo de Copérnico (dizendo que a terra não era o centro do universo)  por que era amigo pessoal do papa (mas ficou em prisão domiciliar até morrer). Outros da “conspiração” foram queimados vivos, por exemplo.

Com isso, a ciência se viu obrigada a separar a matéria do espírito, uma vez que não dava para competir com a Igreja sobre quem ditava o “reino dos céus”. O filósofo francês Descartes ainda deu o ponto final nessa separação com a frase: “Nada que se inclua no conceito de corpo pertence à mente e nada no conceito de mente pertence ao corpo.” E foi assim que entramos definitivamente na era do materialismo.

Depois de um tempo, a partir da revolução industrial, o mundo entrou na era do fazer. Criar, produzir, vender, comprar e descartar. Esse é o ciclo que permeia em nossos mundos e em nossas cabeças. Queremos sempre mais e melhor, descartamos o velho e acreditamos que nossa vida se resume à terra e a conquista de bens coisas materiais. Atualmente, trazemos esse ciclo de descarte até mesmo para nossas relações, mas isso já é outro departamento.

E aí quando a morte vem sem nem avisar a gente começa a repensar todas essas nossas crenças e valores que estão enraizados na nossa vida há décadas. Tudo vai embora. Nada se leva. Todas as preocupações parecem… Ridículas, nesse final. Aí eu me pergunto: O que realmente importa?

Na minha opinião? É saber que todos que amo estão vivos e com saúde. É poder ligar e ver meu pai ou minha mãe quando eu quiser. É saber que eu posso contar com eles pra tudo, tudo, tudo na minha vida.

É poder todo dia acordar nessa minha casa incrível e abraçar minhas cachorrinhas. É ver como elas ficam felizes só quando eu digo a palavra “passear”. É a felicidade sem tamanho quando elas colocam a patinhas areia.

É quando eu olho pro meu namorado e penso o quanto sou uma mulher de sorte. É quando a gente fica o finde em casa só vendo netflix ou volta da balada as 6h da manhã. É quando o lugar tanto faz porque a companhia já é suficiente.

É ter um corpo perfeito, com braços e pernas todos funcionando, independente de sua aparência. É poder correr, malhar, andar de skate. É poder me expressar, seja por palavras faladas ou escritas. É simplesmente… estar viva.

Talvez eu não tenha esse pensamento todos os dias, talvez eu ainda me perca nas superficialidades do cotidiano afinal, me faz feliz também saber que eu ainda tenho muito a aprender. E nós, enquanto ainda  vivos, ainda há tempo! Ame, elogie, abrace, diga e faça o que tem que fazer HOJE!

f4a743af499648b6710d0cd29c451e5d

Afinal, o que realmente te importa?

Beijinhos,

Gabi

2 Comentários O que realmente importa?

  1. andresa_romao@hotmail.com'Andresa 7 de dezembro de 2016 às 4:32 PM

    Quase chorei, menina! E olha que eu sou difícil de chorar, hein! haha Conheci o blog ontem, através de um post sobre skate (tô começando agora <3), e to adorando seus posts, principalmente porque vc coloca bastante conteúdo educativo neles: já vi física, agora história…haha to curtindo muito! Bjos

    Responder
    1. Gabriela Bez 8 de dezembro de 2016 às 3:18 PM

      Ahh quem quase chora sou eu com um comentário desse! Muito muito muito obrigada! Comentários assim me inspiram a escrever ainda mais <3 <3 <3 Valeu Andresa, beijinhos! :*

      Responder

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *