Amor em tempos digitais

Visualizado. As duas flechinhas em azul do whatsapp, hoje em dia, são a dor de cabeça de muitas pessoas. Vivemos a espera de que o outro não nos deixe no vácuo e quando ele te responde – espera aí! – você não vai falar nada tão rápido para não parecer desesperado, não é mesmo?

O amor está diferente. O amor não, a conquista. Admito que a internet facilitou as relações: Os tímidos ganharam um aliado. Não é preciso esperar o próximo final de semana paras saber se o gatinho ou gatinha vão estar na festa. Não é preciso mover mundos para encontrar aquela pessoa incrível: ela já te adicionou no instagram. Também não é preciso sofrer por ninguém, afinal, igual a ele ou ela tem várias, não é mesmo? Só que não.

Hoje em dia tudo é muito simples: Você adiciona a pessoa, conversam um pouco, saem uma duas vezes e tudo parece estar normal. A qualquer sinal de “não gostei”, a relação começa a tomar um novo rumo. Você perde o interesse, a graça da novidade não existe mais e aí você dá aquela sumida básica e vai em busca de outra. Como diria minha mãe, hoje em dia tudo é muito rápido: Ninguém mais tem a paciência de ir colocando tijolinho por tijolinho: Não gostou? Troca.

A massificação das redes sociais e a nossa mania de perfeição, fizeram com que não fosse permitido ser quem nós somos. Devemos passar a imagem de que não nos importamos, pois assim vamos ser mais valorizados. Qual o problema da gente ser sincero e acreditar que as pessoas também estão sendo sinceras? Desde quando ser vulnerável e se interessar pela vida do outro se tornou sinal de fraqueza?

Aí nós ficamos mais noiados com mensagem não respondida e nem lembramos dos olhos nos olhos. Nos preocupamos muito mais com a imagem que vamos passar do que passar quem realmente somos. Nem ao menos ligar para ouvir e sentir a voz da pessoa, hoje em dia é permitido. Moramos perto e cada vez estamos mais longe.

As vezes me sinto prisioneira de minha própria geração. Cada vez que caio e me sinto trouxa, felizmente, sempre tem alguém de outra década para lembrar-me que a trouxa não sou eu. Trouxa é quem tem medo de se mostrar. Trouxa é quem não olha no olho. Trouxa é quem tem medo de ligar pra não parecer desesperado. Quanto a mim? Continuo esperando resposta.

2 Comentários Amor em tempos digitais

  1. milena.esquivel0@hotmail.com'Milena 7 de outubro de 2015 às 10:29 PM

    Muito bom!

    Responder

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *